Pythium ultimum (PT) | Syngenta Nederland

You are here

FarMore Technology

Pythium ultimum

(Oomycota: classe Oomycetes: ordem Pythiales: Fam. Pythiaceae)

[Pythium]​

Ciclo de vida

O Pythium ultimum pertence aos Oomycetes, como o P. aphanidermatum, está relacionado às espécie de Phytophthora. O fungo sobrevive no solo como oósporos sexuados. Esses são esporos em repouso que são resistentes à desidratação e a temperaturas altas e baixas. Os oósporos podem germinar diretamente por meio de um tubo germinativo ou formar esporângio. O esporângio também pode germinar diretamente ou produzir zoósporos (esporos flagelados). Os esporos em grande quantidade se espalham pela água em direção a uma planta hospedeira adequada. Eles se fixam no hospedeiro e o infectam. Tubos germinatórios de oósporos e esporângio também podem infectar plantas hospedeiras. Esse fungo é extremamente abundante e pode sobreviver no solo como um saprófito. O fungo infecta sementes, mudas e raízes. As células de tecido infectadas morrem e são usadas pelo fungo como nutrientes. Novos esporângios são formados, os quais podem causar novas infecções. Os zoósporos se espalham pela água e, os oósporos, mecanicamente, por pessoas, máquinas e outros materiais.​

Plantas hospedeiras

O P. ultimum tem uma grande variedade de plantas hospedeiras, incluindo bulbos de flores, flores de verão e plantas perenes.​

Sintomas

Os primeiros sintomas são perda e diminuição do crescimento da planta. As folhas não crescem bem, pendem e amarelam. Os brotos das plantas infectadas secam e caem. Há lesões escuras nos caules e raízes. A epiderme da raiz solta facilmente. Em ataques graves, o sistema radicular inteiro apodrece.​

Condições

O P. ultimum se desenvolve em solo ou substrato com conteúdo elevado de água e em temperaturas médias.​

Medidas de cultivo

  • Boa drenagem, não dar muita água.
  • Evitar grandes variações no crescimento das culturas.
  • Evitar fertilização elevada com N.

A doença pode ser controlada por agentes aprovados dos seguintes grupos químicos:​

Maior poder de cura:

  • Phenylamides (Ridomil Gold).
  • SBI classe 1: triazol (himexazol).
  • Estrobilurinas + fosfonatos (fenamidon4 + fosetil-alumínio).

Preventivos:

  • Aromáticos (etridiazole).
  • Carbamatos (propamocarbe).
  • Amidas de ácido carboxílico (dimetomorfo).
  • Ditiocarbamatos (hiram).
  • Fosfonatos (fosetil-alumínio).
Apron® XL